Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Erecções 2009

Erecções 2009

13
Out09

Registo Civil

capitão haddock

Passadas mais de 24 horas sobre o acto eleitoral, urge fazer uma análise séria e rigorosa aos resultados das eleições autárquicas.

Há questões que ficaram por responder. Devem os resultados para as autarquias ter uma leitura política nacional? Por que votam os munícipes e fregueses nos seus represantes mais directos ao nível local? O candidato assassinado no Ermelo ainda tem hipóteses de ganhar quando reabrirem a urna? O que é o Bloco de Esquerda?


A dinâmica do voto nas autarquias é menos dependente do poder central e mais do cacique, dirão os mais afoitos. Uma análise mais cuidada tenderá a asseverar que os cidadãos e aldeãos de Portugal (e mesmo os de Gondomar) votam em quem mais confiam para guiar os destinos das respectivas câmaras municipais com base no número de rotundas, independentemente da cor política em favor da simpatia que consegue criar no eleitorado.


Como é óbvio, todas essas explicações, apesar de correctas, estão rotundamente (rotundamente, viram?) erradas.


A verdade, escamoteada pelos comentadores políticos da nossa praça, e pelo Pacheco Pereira, é que os eleitores votam num determinado candidato com base no potencial de comicidade do seu nome.


Façamos uma resenha - sempre quis fazer uma resenha e este parece-me o momento oportuno - de alguns dos eleitos para a Presidência de Câmaras Municipais.

(Respirar fundo. Vamos lá.)


Litério Marques (Anadia)
Ribau Esteves (Ílhavo)

Messias do Rosário Sebastião (Almodôvar)
João Penetra (Alvito)

Pica Tereno (Barrancos)

Galinha Orelha (Cuba)

José Maria Prazeres Pós-de-Minas (Moura)
Prazeres do Carmo (Ourique)
Couto e Cepa (Esposende)

Beraldino Vilarinho Pinto (Macedo de Cavaleiros)

Barata Frexes (Fundão)

Cachucho Rocha (Idanha-a-Nova)
Domingos Bicho Torrão (Penamacor)

Maria Barata Joaquim (Vila de Rei)
João Vidaurre Pais de Moura (Cantanhede)

João Albino Rainho Ataíde das Neves (Figueira da Foz)

João Maria Reigota (Mira)

João Maria Aranha Grilo (Alandroal)

Ângelo João Guarda Verdades de Sá (Borba)

José Ernesto Ildefonso Leão d'Oliveira (Évora)

Santinha Lopes (Mourão)

Bernardino Bengalinha Pinto (Viana do Alentejo)

Luis Filipe Braguêz Caldeirinha Roma (Vila Viçosa)

Desidério Silva (Albufeira)

Sebastião Seruca Emídio (Loulé)

António Paulo Jacinto Eusébio (S. Brás de Alportel)

Esmeraldo Saraiva Neto Carvalhinho (Manteigas)

Rui Novo e Rocha (Ansião)

Aristides Lourenço Sécio (Cadaval)

Maria da Luz Gameiro Beja Ferreira Rosinha (Vila Franca de Xira)

Joviano Vitorino (Alter do Chão)

Fermelinda Pombo Carvalho (Arronches)

Pedro Namorado Lancha (Fronteira)

Maria Menino Tsukamoto (Nisa)

Mário Atracado Pereira (Alpiarça)

Sérgio Carrinho (Chamusca)

Isaura Maria Elias Crisóstomo Bernardino Morais (Rio Maior)

Carlos Humbero Palácios Pinheiro de Carvalho (Barreiro)

Vitor Manuel Chaves de Caro Proença (Santiago do Cacém)

Augusto Carapinha Pólvora (Sesimbra)

António Rui Esteves Soalheiro (Melgaço)

José Manuel Carpinteira (Vila Nova de Cerveira)

José Artur Fontes Cascarejo (Alijó)

José António Fontão Tulha (S. João da Pesqueira)

Jorge Orlando César de Jesus Romeira (São Vicente)

Aires Fagundes Reis (Calheta)


e a medalha de ouro vai para:


José Manuel Velhinho Amarelinho (Aljezur)

 





[propositadamente de fora deste rol ficam os representantes eleitos para as Assembleias Municipais e Juntas de Freguesia, sob pena deste post não caber na internet.]

12
Out09

qual fim?

Sr. Rocha da Internet

 Ai vocês acham que isto acabou?

Meus senhores, agora há que achincalhar o Cavaco. Terminadas as eleições, e segundo os fortes indicadores jugulares nas últimas semanas, o objectivo agora é tentar ridicularizar ao máximo o Presidente da República descredibilizá-lo, etc.

Dou-vos um exemplo.

Cavaco é entrevistado numa inauguração qualquer. A jornalista faz uma pergunta e Cavaco não só diz que não vai falar como logo a seguir espirra.

O que fazer?

Segundo os mais altos critérios de pessoas sensatas e lúcidas na análise política, há que fazer logo um post a criticar o PR não só por não ter falado (das mortes no Burkina Faso, por exemplo) acusando-o de falta de sentido de Estado, como também atacá-lo pelo espirro numa altura em que há um clima de pânico por causa da gripe A.

Chegados a este ponto é preciso saber que tipo de linguagem deveremos usar com uma pessoa como Cavaco. Isto são pormenores importantes para ter uma boa prestação blogosférica, não entendamos isto como hidden agenda, por amor de Deus! É tudo uma questão de lucidez. A linguagem a usar, dizia eu, deve ser clara e inequívoca, ao contrário do discurso imperceptível do PR. Do silêncio, aliás. Ela deve conter expressões como: nojo, ridículo, patético, absurdo, repugnante e, no limite, filho da puta. Não obstante o facto de ser, com todo o mérito - ninguém dúvida - o Presidente de todos os portugueses.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D